Praticando o desapego com as bijuterias

Escrito por: Fernanda Marinho
muitas bijuterias

As bijuterias que eu tinha.

Seguindo com minha decisão de voltar a praticar momentos de desapego, comecei pelas bijuterias.

Eu já não tinha muita coisa, mas é engraçado como sempre me vejo com espaço para simplificar ainda mais. E não é apenas por um desejo de ter cada vez menos, apesar de ele existir também. Mas porque, mesmo tendo bem menos do que já tive e do que grande parte das pessoas que eu conheço, eu ainda tenho coisas que não uso. E, se eu não uso, para que ter? Só ocupam espaço e dão trabalho para arrumar.

Então lá fui eu colocar minhas bijuterias todas na mesa e pensar no que doar e no que manter.

Não tem fórmula mágica para escolher o que fica e o que vai. Cada vez que eu passo por esse momento, é um monte de questionamentos que eu faço para decidir. O lado bom disso é que, com o tempo, vai ficando cada vez mais claro o que é realmente importante para mim.

Fazendo escolhas

Para começar, devolvi a pulseira  prata com preto da minha mãe, que eu peguei emprestado há algum tempo e não devolvi.

Depois, resolvi me livrar da maioria dos apetrechos de cabelo, porque o meu agora está tão curto que não dá para prender. Eu já tinha dado um monte de gominhas para minha irmã, mas sobraram algumas. Vou dar para ela também.

menos bijuteiras

As bijuterias que ficaram.

Joguei fora ainda dois brincos que eu perdi o par. Eu fiquei arrasada quando perdi um deles, mas isso não vai fazer com que o sumido reapareça. Caiu na rua enquanto eu estava indo trabalhar (nunca mais compro brinco que fica bambo na orelha), até voltei para procurar pelo caminho, mas não achei.

O outro brinco sumiu não sei como, mas foi no apartamento anterior ainda. Se eu não achei durante a mudança, não vai ser agora que vou achar.

Por fim, doei um brinco e um colar que têm níquel na composição. Eu achava que, usando só por pouco tempo de cada vez, não iriam despertar a alergia. Mas agora estou com o pescoço todo empolado, e não quero mais passar por isso.

Devagar e sempre

O resto, por enquanto, vai ficar. Mas não sei até quando.

Digo isso porque, quando fui procurar um post sobre bijuterias no blog antigo, percebi que já tinha escrito duas vezes sobre bijuterias, uma em 2013 e outra em 2014. E que, comparado com o que eu tinha naquela época, já não tenho quase nada. Mas mesmo assim continuo diminuindo.

Você também pode gostar de:

Deixe seu comentário:

10 Comentários

  1. Thais disse:

    Quando eu era mais jovem, tinha o hábito de trocar de bijouteria todos os dias, e queria ter mtas pra não repetir. Era meu único “luxo”. Eu ainda carrego um pouquinho disso comigo, mesmo tendo já quase nada em relação ao que eu já tive. Percebo que é mais fácil usar sempre, sem “enjoar”, peças que a gente gosta mto. Estou usando as mesmas pulseiras há meses, e acho que elas ainda vão longe. É a minha primeira experiência usando as mesmas peças por tanto tempo. Acho que qto mais a gente gosta do que a gente tem, mas fácil fica ter menos.

    1. Eu também tinha esse hábito, Thais! Usava um tanto de brincos e de anéis. E tem toda razão! A gente realmente fica mais feliz tendo menos quando temos só o que gostamos. Tenho sido assim com roupas também. Não me importo de repetir porque estou sempre usando roupas que acho bonitas e confortáveis. Na verdade, ando até mais bem arrumada do que quando eu tinha um tantão de roupa mais ou menos. Hehe…

  2. Dani disse:

    Oi

    Nossa, eu já fiz dessas limpezas nas minhas bijus umas três vezes…
    Ainda tenho bastante brincos, provavelmente logo vai rolar mais uma sessão desapego hehehe

    :*

    (http://raritaa.blogspot.com.br/)

    1. Pois é, Dani! Impressionante como a gente desapega, desapega e continua tendo muita coisa. Hehe… Vamos juntas! 😉

  3. Anne Carvalho disse:

    Tenho bem poucas jóias e bijuterias também.
    Quando eu era criança, eu tinha alergia a qualquer metal. Colares e pulseiras não chegavam a me incomodar (não fico empolgada igual a vc), mas brincos não tinha como usar. Inflamava tudo. Depois de um tempo, no final da minha adolescência, percebi que a alergia tinha sumido (ou diminuído muito), e aí comecei a usar brincos.Fiz inclusive mais dois furos em cada orelha. Hoje tenho dois pares de brincos de ouro pequeno que eu usava diariamente (trocava entre um e outro de tempos em tempos) e alguns (não muitos) maiores, que eu usava pra sair, em festas, etc… Mas de um ano pra cá mais ou menos, minha alergia voltou, do nada! Não posso mais usar nem os brincos de ouro. Já tentei passar esmalte na parte que fica em contato com minha orelha (um truque que as vezes eu usava quando adolescente), mas nem assim… Eu não me considero vaidosa, mas brincos são coisas que eu gosto… Acho tão bonito… Tô na dúvida se desapego de vez e me desfaço dos meus, ou se mantenho por mais um tempo pra ver se a alergia some do nada, assim como apareceu…

    Ah, e pra completar, tenho dois brincos lindos da Swarovsky, que ganhei de presente da minha mãe e da minha irmã, e que eu perdi o par… Fiquei muito arrasada tb, mas não tenho coragem de me desfazer, porque além de lindo, eles tem valor sentimental pra mim… Será que existe algum ligar (site, sei lá) onde dá pra comprar brincos descascados? (Vai Que alguém tinha um igual e tb perdeu o par…)

    1. Ei, Anne!

      Deixa eu te contar sobre a minha alergia porque pode ser o seu caso. Quando eu era mais nova, usava um tanto de brincos e anéis sem sentir nada. Aí, um belo dia, meu pescoço ficou todo empolado e descobri que eu tenho alergia a níquel. O médico me explicou que a gente tem essa noção de que a alergia aparece e some porque, na verdade, ela é cumulativa. Ela não aparece ou some. Nosso corpo vai acumulando a reação à substância até que uma hora essa alergia se manifesta de alguma maneira, sabe? Aí depois ela diminui os níveis e fica “dormindo” até acumular de novo.

      Se o seu caso for igual ao meu, não adianta usar joia, porque a maioria delas também tem níquel na composição. Mas, como muita gente tem alergia, tem lugares que vendem bijuterias sem níquel. Eu achei uma loja dessas (Rommanel) e os poucos brincos que eu tenho hoje são todos de lá.

      Sobre brincos sem pares, não faço a menor ideia. Talvez você consiga é mandar fazer um par, mas deve ficar bem caro. Sem contar que, se tiver níquel, vai te dar alergia mesmo sendo joia…

      Procura um dermatologista ou alergista para tentar descobrir o seu caso. Aí você vai poder decidir melhor o que fazer 😉

      1. Anne Carvalho disse:

        Hum… valeu pela dica!!
        Mas mesmo as jóias de ouro tem níquel na composição? Pq mesmo os brincos de ouro 18k me dão alergia…
        Vou num alergia tá sim!! 🙂

        1. Ei, Anne! A maioria das joias tem sim. Minha médica me explicou que o níquel é um metal de ligação, e todas as joias (e bijuterias) são compostas por ligas metálicas. O tanto de ouro nelas pode variar, mas elas precisam ter outro material na composição porque o ouro sozinho não é moldável. Eu também tinha alergia quando usava joias. Demorei um tempão pra entender o motivo. Hehe…

  4. Marisol disse:

    A uns dias atrás fiz uma limpa nas minhas bijous e depois disso toda hora tenho vontade de abrir o lugar que arrumei!!! a cada limpeza fica tão mais fácil manter organizado e a me arrumar de manhã para sair, por ter melhor visibilidade, acabei voltando a usar algumas que tinha esquecido =)

  5. Caroline Monezzi disse:

    É incrível o quanto dedicar um tempinho para avaliar nossos pertences nos ajuda a descobrir do que realmente gostamos, o que realmente te a ver com a gente. Toda vez que eu faço essas limpezas com a proposta de desapegar, me surpreendo o quanto mantive na destralhada anterior, e até o consumo errado depois de destralhar.

Participe da conversa, deixe seu comentário aqui:

O seu endereço de e-mail não será publicado.Todos os campos são obrigatórios!