A liberdade de poder sair de um emprego que não está sendo legal

Escrito por: Fernanda Marinho

liberdade

Quando falamos sobre minimalismo, geralmente focamos no que precisamos fazer em busca dele: desapegar, simplificar, economizar… Mas não lembramos tanto do maravilhoso outro lado, que são as coisas boas que ele nos traz. E, de todas elas, a mais importante para mim é: a liberdade de poder abrir mão de um emprego que não esteja me fazendo bem.

Por eu ter poucos gastos, e um dinheirinho guardado, eu tenho uma certa tranquilidade de ficar sem trabalhar por um tempo, e procurar algo melhor. Parece fácil, mas não é tanto.

Nós somos uma espécie que se adapta. Isso pode ser ótimo. Mas pode ser ruim quando a situação não é a ideal. Acabamos nos acomodando, achando que é melhor ficar no ruim conhecido, do que se aventurar na busca de algo melhor, mas que ainda não sabemos o que é. E eu não estou livre disso.

Então ano passado começou comigo tendo percebido que meu trabalho não estava me fazendo bem. Mas insisti. Fui buscando maneiras de me adaptar: fazer menos hora extra, levar menos preocupações para casa, me resignar e parar de questionar as coisas que me incomodavam… Tentei, mas não deu. O bom de ter tentado é que, quando eu saí de férias e me afastei um pouco, voltei com a certeza de que eu já tinha feito tudo que estava ao meu alcance para fazer daquela situação algo melhor. E não foi o suficiente.

Então, sem ter nenhum plano B, nem ter começado a procurar outro emprego, pedi demissão. No dia que voltei de férias.

Não sei nem explicar a sensação de alívio, de orgulho por ter tido coragem e de empolgação com o futuro que eu senti logo depois. Sensação maravilhosa!

Isso só foi possível porque tenho poucos gastos e umas economias. Consegui descansar e me recuperar emocionalmente. Depois comecei a procurar com calma por algo melhor.

Claro que eu sentia ansiedade às vezes. Medo de não achar um emprego bom, ou de demorar demais e minhas economias não serem suficientes. Nesses momentos, me sentia tentada a buscar e a aceitar condições não muito legais de trabalho.

Mas, sempre que vinha esse sentimento, eu pensava: eu pratico o minimalismo justamente para isso, para ter essa liberdade. Então esperei até encontrar a opção ideal. E achei.

PS: foi a segunda vez que fiz isso. A primeira foi em 2013 e já contei aqui.

Você também pode gostar de:

Deixe seu comentário:

8 Comentários

  1. Scantales disse:

    Boa sorte!

  2. Anne Carvalho disse:

    Taí algo que eu realmente não tenho coragem de fazer…
    Sou militar do exército, engenheira. Gosto do meu trabalho em alguns aspectos, mas em outros momentos me sinto um peixe fora d’água. Já pensei várias vezes em sair e tentar algo completamente diferente, mas o medo do arrependimento (pela estabilidade, tranquilidade, salário bom, e por saber que uma vez saindo, nunca mais poderei voltar) me engessa…
    Parabéns pela coragem, e boa sorte!

    1. Não se sinta pressionada, Anne. Cada um tem uma realidade, um tempo e suas prioridades. Além disso, todo trabalho (e quase tudo na vida) tem seus momentos bons e os ruins. Eu saí porque estava realmente insuportável. Não tinha momento ou lado bom que compensasse, sabe? Provavelmente não é o seu caso… Obrigadinha! Boa sorte para você também 😉

  3. Patchy disse:

    Pois foi exatamente o que eu fiz em 2016. Também estava em um emprego no qual não consegui me adaptar e, depois de seis meses, pedi demissão. Foi uma decisão muito difícil, mas necessária. Decidi então não buscar outro emprego, mas usar parte das economias para me manter até fazer uma prova de proficiência de inglès e poder me dedicar mais ao ensino, que é algo que gosto.

    Incrível que depois disso parece que os caminhos “se abriram” e tudo começou a dar certo de novo na minha vida.

    1. Muito obrigada pelo depoimento, Patchy! Parabéns pela coragem e pelo discernimento em escolher o melhor caminho para você. Tenho percebido que muitas vezes, quando nos libertamos de algumas prisões, realmente outras possibilidades e oportunidades se abrem para a gente. Legal demais! 🙂

  4. Mariana disse:

    Eu estou desesperada atrás de emprego e nao consigo achar. Onde vc conseguiu fácil assim? rs

    1. Oi, Mariana! Sinto muito pela sua situação… No meu caso, me indicaram para uma vaga na minha área. Participei de um processo seletivo e fui contratada. Foi uma mistura de sorte, por existir a vaga em que eu meu encaixei perfeitamente, com relacionamento. Quem me indicou trabalhou comigo em uma empresa anterior. Continua procurando que uma hora você acha. Boa sorte!

Participe da conversa, deixe seu comentário aqui:

O seu endereço de e-mail não será publicado.Todos os campos são obrigatórios!